Vários são os pontos em comum entre os setores de proteína animal, principalmente a avicultura e a suinocultura, com alguns setores de educação

Com o passar dos anos, alguns grupos consolidadores passaram a ampliar os seus negócios e comprar pequenos e médios fabricantes, aumentando a sua participação de mercado e se tornando conglomerados gigantescos.

Adotaram estratégias de crescimento ousadas, com aquisições agressivas, excelente relacionamento com o governo e órgãos reguladores, além de economias de escala, fatores estes que somados tornaram a competição desigual para os pequenos e médios integrantes do setor.

Hoje estas megacorporações detém o controle das redes de distribuição e dos pontos de venda, tornando quase obrigatório que se compre qualquer produto derivado da carne ou de frango deste reduzido número de empresas e suas coligadas, criando assim novos parâmetros de produtos, preços e qualidade, na maioria das vezes sem agregar um valor positivo para o consumidor. Na verdade, muito pelo contrário.

O que isso tem a ver com educação, você deve estar se perguntando? 

Há vinte anos atrás já tínhamos centenas de faculdades, centros universitários e universidades públicas e privadas. Podíamos escolher entre várias Instituições, de vários níveis de qualidade e preço, cada uma em um determinado bairro ou cidade e o fator principal na decisão de escolha era ou a pela qualidade acadêmica da Instituição ou pela adequação desta à capacidade de pagamento do aluno ou sua família, e possibilidade de sucesso no vestibular, que eram bastante disputados mesmo em Instituições de menor prestígio.

O diploma de nível superior garantia um novo patamar de empregabilidade e ainda, na maior parte das vezes um nível de formação para o egresso compatível com sua entrada ou ascensão no mercado de trabalho.

A maior rede de Instituições de Ensino Superior tinha menos de cem mil alunos e atuação limitada a uma região geográfica restrita. Em todo o Brasil existiam menos de um milhão e quinhentos mil alunos, contado todos os alunos do ensino superior público e provado. Os vinte maiores grupos somados tinham não mais que um décimo do total de matriculados nesse nível educacional.

O que mudou e por quê?

Os grandes grupos educacionais começaram a aumentar as suas participações de mercado, seja de forma orgânica com o credenciamento de novas Instituições de ensino ou aumentando a capilaridade, ampliando a sua distribuição com a abertura de novas unidades de seus Centros Universitários ou Universidades. Com muitos recursos para investimento, começaram a comprar pequenas, médias e grandes faculdades e outras IES, e tornando o mercado de ensino superior cada vez mais concentrado. Passaram a adotar estratégias de crescimento similares a empresas de varejo, criaram departamentos de relações institucionais e governamentais que mantinham um excelente diálogo com o governo e órgãos reguladores, além de trazer os conceitos de economia de escala e de escopo para a área educacional.

Os reitores e diretores acadêmicos perderam seus postos para executivos oriundos de cervejarias, bancos, fundos de investimento e supermercados que começaram a desenhar modelos de negócios com ênfase na sustentabilidade financeira, olhando para a atividade acadêmica com um enfoque mais operacional e não estratégico, em muitos casos privilegiando a redução de custos e a rentabilidade da IES. O valor para o acionista se tornou prioridade máxima e termos como private equity, venture capital, inicial public offering, valution, due diligence, non-disclosure agrément, até então desconhecidos ou pouco frequentes na vida de reitores, diretores, coordenadores e professores passaram a ser parte importante do dia a dia da gestão das Instituições de ensino superior. Conhecê-los se tornou mais importante do que saber elaborar um projeto pedagógico. 
O maior grupo educacional do Brasil tem mais alunos do que o total de matriculados no ensino superior público e privado há vinte anos atrás. Os doze maiores grupos educacionais já estão quase concentrando a metade de todos os discentes. Hoje, dependendo de onde você mora ou trabalha, você entra em uma universidade pública ou em uma destas Instituições, e isto acontece na maior parte do país.

Qual a saída?

Investir mais nas Instituições públicas, que são as que mais investem em pesquisa, pós-graduação e concentram as melhores posições nos rankings mundiais, ao mesmo tempo buscar a criação e implementação de políticas públicas que incentivem as Instituições privadas a criar centros de pesquisa, desenvolvimento e inovação em parcerias com Instituições estrangeiras e nacionais, investindo na qualificação de seus docentes e criando programas inovadores de mestrado e doutorado.

Somente desta forma, poderemos diminuir a assimetria entre o setor público e privado no ensino superior, impedindo que a formação de oligopólios no ensino superior crie uma padronização da oferta educacional gerando um resultado caro, insosso e que tanto mal faz à "digestão" do nosso país.

Marcelo Saraceni, diretor geral da ABIPG - Associação Brasileira das Instituições de Pós-Graduação. 

Fonte: Agência Globo

Link: http://www.agenciaoglobo.com.br/dinonews/Default.aspx?

idnot=22102&tit=V%C3%A1rios+s%C3%A3o+os+pontos+em+comum+entre+os+setores+de+prote%C3%ADna+animal%2c+principalmente+a+avicultura+e+a+suinocultura%2c+com+alguns+setores+de+educa%C3%A7%C3%A3o


Data da notícia: 07/02/2017


Voltar

Copyright

Aviso sobre documentos disponíveis neste Website Copyright © 2015 ABIPG O uso das informações e objetos relacionados neste Website é permitido desde que: Conste de todas as cópias o aviso de Direitos Autorais em favor da ABIPG. O uso seja de finalidade informativa, não comercial.


Leia Mais
  • Emissor – Assessoria de Imprensa
  • (11) 5572-8266
        André Matos – (11) 98144-0850
        Marialda Reginato – (11) 99971-0481
  • imprensa@abipg.org.br